Saiba o que é, e como prevenir a elefantíase

A Filariose Linfática (FL), que também é conhecida como elefantíase, ela recebe esse nome, pois pode deixar alguns membros com tamanho muito anormal, é doença parasitária crônica, é uma das maiores causas mundiais de incapacidades, permanentes ou de longo-prazo. Estimativas da década de 90, apontavam que cerca de 100.000 pessoas estavam acometidas em todo o mundo. A Elefantíase, é reconhecida como uma entre o pequeno número de doenças potencialmente erradicáveis.

Saiba mais sobre a elefantíase

Causa

A Elefantíase é uma síndrome causada pela infecção com um parasita, do nematoda, chamado o sem-fim filarial. O parasita é transmitido através do mosquito fêmea, e cresce em um sem-fim adulto, ele vive no sistema linfático de um ser humano.

Sintomas

A elefantíase, é caracterizada pelo alargamento bruto de um membro ou áreas do tronco ou cabeça. Há um acúmulo anormal de líquido aquoso nos tecidos (edema), causando inchaço grave. A pele geralmente desenvolve uma aparência engrossada e pode tornar-se ulcerada e escura. Febre, calafrios é uma sensação geral da doença, (mal-estar) podem estar presentes.

Tratamentos

Como é tratada a filariose linfática?

O tratamento para filariose linfática, depende se a infecção está ativa ou tem progredido a complicações.

O tratamento para infecções ativas

Dietilcarbamazina (DEC), é a droga de escolha para o tratamento da filariose linfática. Esta droga efetivamente mata as microfilárias.

O tratamento para complicações

Complicações da filariose linfática, como o linfedema e elefantíase, não pode ser tratada com medicamentos, a droga só mata microfilárias ativas.

Os pacientes com linfedema devem ser encaminhados a um terapeuta, que pode prescrever exercício, bem como medidas de manutenção e higiene para prevenir novas infecções. Hidrocele (inchaço do escroto), pode ser tratado com cirurgia para aliviar o edema.

Prevenção

A prevenção da elefantíase, é feita se evitando o contato com mosquitos transmissores, através de medidas como:

•Uso de mosquiteiro para dormir;
•Telas nas janelas e nas portas;
•Evitar deixar água parada em pneus, garrafas e vasos de plantas, por exemplo; Usar repelente diariamente;
•Evitar locais com moscas e mosquitos;

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

11 − 4 =